Papa ganha ícone da Mãe do Perpétuo Socorro, padroeira do Mato Grosso do Sul

Papa ganha ícone da Mãe do Perpétuo Socorro, padroeira do Mato Grosso do Sul

Dom Mariano entrega ao Papa Francisco o ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

O quadro tem o ícone mariano e o relicário com porções de terra de mais de 70 municípios do Estado, um ramo de oliveira e uma carta que conta sobre a grande mobilização dos devotos no Ano Jubilar do Perpétuo Socorro. “Chegou nas mãos do Papa Francisco, em 9 de setembro, na visita ad Limina, esse ícone que carrega uma história de 83 anos de devoção à Mãe do Perpétuo Socorro na cidade, que transcende Campo Grande e se extende a todo o Mato Grosso do Sul”, explica Luiz Amaral do Santuário Estadual.

Andressa Collet – Vatican News

O mestre de cerimônias do Santuário Estadual de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, Luiz Antônio Rocha Amaral, é quem nos conta a história que envolveu o ícone dado ao Papa Francisco em 9 de setembro, no Vaticano. Um grupo de bispos dos regionais Oeste 1 e 2 da CNBB estava em visita ad Limina quando, entre outras lembranças típicas brasileiras, dom Janusz Marian Danecki, bispo auxiliar da Arquidiocese de Campo Grande, entregou a imagem mariana ao Pontífice.

Foi o polonês, carinhosamente conhecido como dom Mariano pelo fiéis, que tomou a frente e disse que levaria até o Papa o ícone, uma réplica do original que se encontra na Igreja de Santo Afonso Maria de Ligório em Roma. Bispo que, segundo Luiz, também tem uma história de devoção à Virgem do Perpétuo Socorro desde a infância, na Polônia, quando semanalmente participava das novenas com a mãe.Os devotos em oração diante do ícone que seria entregue ao Papa

Os devotos em oração diante do ícone que seria entregue ao Papa

O ícone de N.S. do Perpétuo Socorro

Luiz explicou ao Vatican News que a entrega do ícone ao Pontífice foi em agradecimento à concessão do título canônico de padroeira estadual à Mãe do Perpétuo Socorro, decretado pela Santa Sé em 2 de junho deste ano na esperança “que contribua a suscitar nos fiéis um profundo desejo de santidade”, fala o documento. Um reconhecimento que demorou dois anos para sair mas, segundo Luiz, aconteceu “pela providência” já que foi concedido em pleno Ano Jubilar do Perpétuo Socorro, ou seja, em memória aos 80 anos da inauguração da igreja local e também aos 100 anos de criação da novena em honra à Mãe do Perpétuo Socorro. O arcebispo de Campo Grande, dom Dimas Lara Barbosa, dá os detalhes:

“Num primeiro momento foi assinado o decreto do governador, reconhecendo a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro como Padroeira do Mato Grosso do Sul, naturalmente contando com a aprovação dos bispos do Regional. Logo em seguida, escrevi para a Congregação do Culto Divino e eles confirmaram, do ponto de vista de Roma, essa decisão, de modo que nós temos o decreto pontifício reconhecendo a N.S. do Perpétuo Socorro.”

O relicário com as porções de terra

Um ícone ornamentado com os brasões das 7 dioceses de Mato Grosso do Sul e carregado de simbolismos já que os devotos de Nossa Senhora chegaram a fazer 18h de oração diante dela, um dia antes de ser entregue aos bispos, e se mobilizaram para compor um relicário em forma de cruz que também faz parte do quadro e leva porções de terra dos mais de 70 municípios do Estado. “De fato, foi uma mobilização muito bonita dos devotos”, confirmou o arcebispo.

Luiz contou ainda que as porções chegaram ao Santuário por correio durante o primeiro semestre deste ano, segundo orientações disponibilizadas a cada paróquia. Hoje, os diferentes tipos de terra viraram um memorial e o excedente ajudou a plantar uma oliveira em honra também ao Ano Jubilar.

“Nós fizemos o resgate de todas essas porcões de terra para que todos os municípios se fizessem presentes nas celebrações jubilares da padroeira estadual e, dia 4 de agosto, chegou o reconhecimento pontifício. Providencialmente, no dia 17 de agosto, todos os bispos estavam em reunião. Foi quando celebraram a novena no Santuário Estadual, lotada de cerca de 25 mil fiéis e devotos que semanalmente se reúnem em honra à Mãe do Perpétuo Socorro.”

A ideia da composição do relicário foi pensada pelas lideranças leigas e pelos missionários Redentoristas do Santuário Estadual pra ilustrar o Ano Jubilar.

“Por que pensamos na terra? O nosso Estado é muito rico na questão da agricultura e ecossistemas e cada cidade tem a sua característica do solo. A gente pode ver, no Memorial das Porções de Terra do nosso Estado, um verdadeiro mosaico de cor, de textura, de pigmentação. Também mostra o mosaico das raças e etnias que formam o nosso Estado. Então, o solo colorido do nosso Estado também mostra toda a cultura dos nossos fiéis. Por exemplo, Corumbá é conhecida por cidade branca, pela terra branca; Campo Grande é morena, pela terra marrom.”

O memorial com as porções de terra

Toda essa história foi inclusive contada para o Papa Francisco através de uma carta, colocada atrás do quadro com o ícone mariano. Junto a ele, foi um ramo da oliveira plantada no jardim do Santuário Estadual com o excedente das porções de terra do Estado.

“E chega, então, nas mãos do Papa Francisco, no dia 9, na visita ad Limina, esse ícone que carrega uma história de 83 anos de devoção à Mãe do Perpétuo Socorro na nossa cidade e que transcende Campo Grande e se extende a todo o Mato Grosso do Sul, sendo a padroeira – tanto civil, como canonicamente diante do Dicastério para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, como padroeira estadual.”

Fotos do Santuário Estadual do Perpétuo Socorro
Fotos do Santuário Estadual do Perpétuo Socorro

Noticia publicada originalmente em Vatican News